Pular para o conteúdo principal

A filosofia na prática!


Embora a melhor maneira de seguir os yamas seja na rotina diária, você pode integrá-los em sua prática de Hatha Yoga, observando como se comporta em sua aula, com os seus colegas, com o seu professor, consigo mesmo.

É comum nas aulas de Hatha Yoga do Ocidente os praticantes aprenderem primeiro as posturas e exercícios respiratórios, e, caso desejem, ou dependendo do professor, aos poucos vão se aprofundando na filosofia do Yoga.

É como em Vinyasa Krama, cada passo vai sendo dado pelo praticante de acordo com seu “despertar”. O corpo físico vai sendo purificado, então a necessidade de mudar o estilo de vida, logo a mente vai sendo purificada e o coração também, então é possível entender mais sobre os Yamas e Niyamas (observâncias éticas e espirituais), os primeiros dos oito “corpos”(ashtanga)do Yoga, segundo os Yoga Sutras de Patanjali.

A primeira parte do caminho são os "yamas", que, originalmente significa "freio" ou "controle". O sábio Patanjali, descreveu-os como uma disciplina fundamental para que concentremos nossos esforços na ação correta. Nesse sentido, são uma força positiva em nossa vida, pois a auto-disciplina nos permitirá ir na direção de nosso dharma ou propósito de vida.

Traduzindo de forma simples, os cinco yamas – bondade (não-violência), verdade (nunca mentir ou enganar), confiança em seu merecimento (sem cobiçar ou invejar o outro), foco (saber direcionar sua energia), auto-confiança (não-apego) - nos permite um convívio mais pacífico e harmonioso.

Os yamas e niyamas nos guiam em nossos relacionamentos com os outros e com nós mesmos. No próximo post falarei mais sobre os Niyamas. Experimente desenvolver estas qualidades/virtudes em sua sala de aula , no seu trabalho, com a sua família.

Hari OM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

Uma história inspiradora...

Há muito tempo atrás, no tempo em que os homens experienciavam a beleza, sensíveis as coisas vivas na Terra - a fala, a visão, a audição, o sêmen, a audição, a mente e a respiração – discursavam entre si para provar qual deles era o mais importante. Mas sem conseguir resolver o dilema, foram até Brahma e perguntaram:

- Brahma, ó grande criador, dentre nós, qual é o mais importante?
Brahma então respondeu:
-O mais importante é aquele cujo afastamento faça o corpo piorar.
No dia seguinte todos decidiram fazer a experiência ao refletirem sobre as palavras de Brahma. Cada um se afastaria por um ano para que os outros pudessem avaliar o efeito de sua ausência. A Fala foi a primeira a se afastar, e ao voltar após um ano perguntou:
- Como vocês viveram sem mim?
Os outros responderam:
- Como os mudos: não falando com a língua, mas vendo com os olhos, ouvindo com os ouvidos, respirando com a respiração, conhecendo com a mente, gerando com o sêmem. Assim vivemos. E a língua retornou ao seu lugar.