Pular para o conteúdo principal

DESAPEGANDO DE PADRÕES...



"Os apegos são os anexos. Quanto mais anexos em um e-mail, mais peso. Os anexos surgem com a palavra meu. Tornar-se desapegado é considerar que nada disso me pertence. Os vícios também não me pertencem. Se os vícios não são meus, os vícios dos outros também não são meus. Acabar com a consciência de meu é acabar com todas as escravidões. Considere-se apenas um tutor de tudo que lhe é dado em confiança." - Ken O'Donnell

Namaste!

Lendo este texto hoje pela manhã, após minha prática pessoal, fiz algumas reflexões...A primeira foi sobre como o apego aos padrões mentais nos impedem de fluir, de crescer, de nos conhecer... Isso observo em meu próprio corpo, em minha prática. Canso de "esquecer" de praticar posturas porque estou "apegada" a determinada seqüencia que proporciona prazer, ou mesmo porque o corpo e a mente não querem sair do conforto e "enfrentar" o novo, o desconhecido, ir além...Nesses momentos é que vou ao encontro do testemunho, do papel de observadora de mim mesma. Silencio, volto a atenção pra respiração, conectando com o coração e decidindo experimentar, praticar tudo aquilo que não está no "script". Parece algo bem suave, mas requer esforço.

Na prática de hatha yoga, a evolução do aluno está em sua consciência, no despertar deste que observa (do que testemunha a si próprio), sem julgar, apenas atento aos padrões físicos, psíquicos e emocionais. A partir deste despertar estamos no caminho do yoga...Da união, de uma conexão interna, do corpo-mente-coração.

Hari Om!

Comentários

  1. Estou na fase de vencer esses desafios na postura do corpo , a qual vc nos ensina.Sinto estar despertando, uma agradável sensação de novas possibilidades , tanto ao nivel do corpo , quanto ao nivel na mente e do espaço.
    Particularmente tenho a intenção de praticar o foco, a meta e o tempo necessário para atingir avanços dos movimento com a essencia dos limites e a qualidade para ter a amplitude da consciencia.
    bom ter esta aula com voce. sou grata.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Om. Shanti, Shanti, Shanti.

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

Uma história inspiradora...

Há muito tempo atrás, no tempo em que os homens experienciavam a beleza, sensíveis as coisas vivas na Terra - a fala, a visão, a audição, o sêmen, a audição, a mente e a respiração – discursavam entre si para provar qual deles era o mais importante. Mas sem conseguir resolver o dilema, foram até Brahma e perguntaram:

- Brahma, ó grande criador, dentre nós, qual é o mais importante?
Brahma então respondeu:
-O mais importante é aquele cujo afastamento faça o corpo piorar.
No dia seguinte todos decidiram fazer a experiência ao refletirem sobre as palavras de Brahma. Cada um se afastaria por um ano para que os outros pudessem avaliar o efeito de sua ausência. A Fala foi a primeira a se afastar, e ao voltar após um ano perguntou:
- Como vocês viveram sem mim?
Os outros responderam:
- Como os mudos: não falando com a língua, mas vendo com os olhos, ouvindo com os ouvidos, respirando com a respiração, conhecendo com a mente, gerando com o sêmem. Assim vivemos. E a língua retornou ao seu lugar.