Pular para o conteúdo principal

RESPEITANDO AS DIFERENÇAS COM AMOR...


"Todos têm valores, eu apenas tenho que ter uma visão correta e ser capaz de ver isso. Sim, eles fazem as coisas de uma forma diferente de mim, mas há variedade, então, que eu as aprecie. Não posso mudá-los ou controlá-los; o que posso fazer é mudar minha atitude e minhas respostas. Se eu continuar a ter a visão de amor e respeito por eles, sei que através disso existe uma possibilidade muito boa de influenciá-los e ajudá-los em seus processos de mudança". BK Jayanti

Quando li este texto na mesma hora lembrei dos filhos...Como mães e educadoras é preciso relativizar sempre! É um grande desafio exercitar a mudança de padrões, de atitude, de reagir diante de uma postura diferente da nossa, afinal, fomos educados de uma maneira e acabamos reproduzindo-a, mesmo que inconscientemente. A cada nova situação com os filhos adolescentes aprendo que antes de reagir é melhor silenciar e tentar compreender a visão do outro. Depois com palavras que brotam espontaneamente do coração dialogar sobre a questão. Vivendo e aprendendo! Nossos filhos são nossos grandes mestres.

Hari OM!

Comentários

  1. Oi, Mariana!
    Adorei sua visita e vim retribuir! E qual a minha surpresa? O assunto é bem similar! Aceitar as diferenças é confiar! E com filhos, estamos sempre nos renovando, aperfeiçoando, pois eles mesmos nos exigem posturas saudáveis e coerentes.
    Que bom que estamos em conectadas em nossos caminhos, num verdadeiro vinyasa krama!
    Com muito carinho,
    Lili

    ResponderExcluir
  2. Sim! Aceitar as diferenças é ser leal...É entregar, sair um pouco do controle e confiar...Assim as relações se renovam e nós também!
    Obrigada querida!

    beijo carinhoso,
    Mari

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Om. Shanti, Shanti, Shanti.

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

Uma história inspiradora...

Há muito tempo atrás, no tempo em que os homens experienciavam a beleza, sensíveis as coisas vivas na Terra - a fala, a visão, a audição, o sêmen, a audição, a mente e a respiração – discursavam entre si para provar qual deles era o mais importante. Mas sem conseguir resolver o dilema, foram até Brahma e perguntaram:

- Brahma, ó grande criador, dentre nós, qual é o mais importante?
Brahma então respondeu:
-O mais importante é aquele cujo afastamento faça o corpo piorar.
No dia seguinte todos decidiram fazer a experiência ao refletirem sobre as palavras de Brahma. Cada um se afastaria por um ano para que os outros pudessem avaliar o efeito de sua ausência. A Fala foi a primeira a se afastar, e ao voltar após um ano perguntou:
- Como vocês viveram sem mim?
Os outros responderam:
- Como os mudos: não falando com a língua, mas vendo com os olhos, ouvindo com os ouvidos, respirando com a respiração, conhecendo com a mente, gerando com o sêmem. Assim vivemos. E a língua retornou ao seu lugar.