Pular para o conteúdo principal

NA INTENÇÃO DE SANTOSHA...


Santosha é uma palavra sânscrita que significa "contentamento". Sim, mas o que seria isso? Quando estamos bem tudo se torna mais fácil não é verdade? Quando estamos em paz conosco e com o mundo, parece que a vida flui com mais leveza, equilíbrio, harmonia. É o exercício de cultivar um bem-estar interior permanente, independentemente das circunstâncias externas. Não é resignar-se, mas ser capaz de se adaptar e permanecer inteiro, sejam quais forem as adversidades ou circunstâncias vividas.

A intenção da aula de hoje foi santosha, contentamento, conectar com este estado que está presente no Ser, em seu íntimo. Para isso, é preciso ir para dentro verdadeiramente em cada inspiração, em cada postura, direcionando cada “passo”, como em Vinyasa Krama, para entrar em contato com esta paz interior, esta alegria espontânea que surge do centro, do coração.

A cada dia somos diferentes, o corpo se expressa de forma diferente em toda a sua complexidade, mas ele está sempre se comunicando belamente com você. Quando conseguimos manter este “diálogo”, esta conexão com o corpo, nos alinhamos com suas necessidades, com aspectos de nós que precisamos trabalhar, com atitudes que devem ser observadas. Tornamo-nos conscientes das nossas sombras e sua projeções e aprendemos a trazê-las para a luz.

Profundo sim! O corpo não é só carne, osso, articulações, nervos, células...Ou seja, ele não é só um instrumento mecânico que direcionamos com nossa mente. Ele tem sua inteligência, ele guarda emoções, ele reage internamente a cada escolha que fazemos, a cada pensamento. Tanto que têm linhas de estudo que falam que quando o corpo adoece, sente dor, é que ele está querendo lhe falar “gritando” sobre algo que não vai bem. Também é uma oportunidade de curar-se!

O Hatha Yoga tem uma proposta de consciência corporal incrível. Percebemos cada parte do corpo, e com a disciplina dedicada à prática (tapas) somado ao desejo de mergulhar profundo, vamos entrando em contato com as sensações, emoções, padrões mentais, e vamos “descascando a cebola”, criando espaços internos no corpo, na mente e no coração. Nos “liberamos” de todo o “fardo”, de todos os “apegos” desnecessários, de toda a ilusória segurança. E vivemos o presente, cada momento em total conexão com o Todo.

E com toda essa consciência é mais fácil permanecer no estado de contentamento, estando em paz consigo e com o mundo sem tanto esforço. Diria que fluímos com o Universo e ele nos nutre com tudo o que precisamos. E a gratidão brota de nossos corações como algo verdadeiro, espontâneo. E o desejo é compartilhar esse amor com todos a volta. Ou seja, nos tornamos melhores para o mundo. É uma transformação de base!

Hari OM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

O Silêncio...

Conhecer o silêncio
Permanecer no silêncio
Cultivar o Silêncio
Honrar o silêncio
Respeitar o silêncio
Celebrar o silêncio
O silêncio é você.
...
No silêncio, transformações profundas acontecem.

Hari OM!