Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO DE PRÁTICA


"O diário espiritual é o seu mestre e guia. É o abrir de olhos". Swami Sivananda

O Hatha Yoga vai trabalhar através do corpo físico, do mais grosso ao mais sutil, conforme já foi bastante comentado neste blog, os koshas. Por isso, sempre estimulo meu alunos a registrarem em seu diário de prática como se sentem após a aula, quais foram os desafios para o corpo, como a mente se comportou, que sensações foram sentidas, os insights que surgem. Escrevendo sobre os passos que vão sendo dados, um portal é aberto para a auto-observação. E ao olhar pra trás é possível ver o quão longe sua prática o levou; avaliar quais suas dificuldades; onde você pode melhorar; em que se saiu melhor. É um exercício muito auspicioso. E pode fazê-lo em poucos minutos, no ônibus, na sala de espera, ao final da aula.

Ja vivi experiências bem interessantes que foram registradas e trabalhadas internamente. Para compartilhar uma bem concreta, que fala do corpo físico...Num tempo remoto, toda vez ao final da prática, no Savasana, eu sentia a perna esquerda repuxar, como num longo espasmo. Depois fui descobrir que era o trabalho que estava fazendo mais profndo em um membro que tinha sido bem sobrecarrego ao longo de minha adolescência atlética (sou ariana!). Acho que usei mais de cinco vezes gesso nesta perna. Fui percebendo que com os anos de prática, o tendão encurtado foi ganhando flexibilidade. Um grande passo foi dado. Muitos textos que escrevo aqui nascem após um relaxamento profundo ou meditação.

Para citar alguns exemplos, é muito comum o aluno, depois de um final de semana de alimentação desequilibrada, sentir mais desconforto em determinadas posturas, principalmente nas de flexão para frente, como o Paschimottanasana; ou necessidade de realizar uma torção para detox; dificuldade de permanecer numa postura invertida como o Shirshasana, depois de uma noite mal dormida; inquietação na hora do Savasana porque tem muitas coisas para resolver (o famoso "tenho quê"!).

O diário de prática pode ser uma alternativa para se conhecer melhor e uma forma de percepção consciente, ajudando a trabalhar padrões comportamentais, as expectativas que geram frustração e ansiedade, os medos e inseguranças que aprisionam, ou até mesmo um estímulo a ter hábitos mais saudáveis.

Escrever o que foi vivenciado é uma grande resolução. É entrar em contato com seu mundo interior, é abrir a escuta para a voz lá dentro, entrar em contato com o Ser. Portanto, ninguém mais precisa lê-lo. É algo bem particular, um espaço sgarado de trocas entre você e o seu Ser. Que deve ser reverenciado!

Sempre lembrando da importância da disciplina, da abertura ao conhecimento, pois, como nos ensina Patanali no Yoga Sutra (1.14)5, "A prática se estabelece fimemente quando foi cultivada por um longo tempo, ininterruptamente, e com uma intensa devoção".

Deixo aqui uma reflexão do Swami Sivananda:
"Ó homem! Tu és um peregrino aqui. Desperta, desperta. A vida é curta. O tempo é fugaz. Volte para sua casa original da bem-aventurança eterna".

Hari OM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

O Silêncio...

Conhecer o silêncio
Permanecer no silêncio
Cultivar o Silêncio
Honrar o silêncio
Respeitar o silêncio
Celebrar o silêncio
O silêncio é você.
...
No silêncio, transformações profundas acontecem.

Hari OM!