Pular para o conteúdo principal

O CANTO DA COTOVIA

"Tome a resolução de que não será mais afetado pelos problemas, não será mais tão meticuloso, não será mais vítima de hábitos e humores; assim, você será livre como uma cotovia." Paramahansa Yogananda

Lendo esta reflexão de Yogananda, senti vontade de compartilhar o que estou criando cá com os meus botões. Não tenho nenhuma pretensão de chegar a verdades, só abstrações...

A primeira abstração remeteu ao texto de Paul Valéry quando ele diz que "é preciso ser leve como o pássaro e não como a pluma". Leveza é liberdade para mim. Não saberia voar como uma pluma, que o vento leva. Já voar como um pássaro, em harmonia com o vento, com as direções, cantarolando sua música, aninhando-se junto à energia transmutante de uma árvore, ou alimentando os filhotes com sementes da nossa terra, fala muito da tal liberdade. Assim como fala-me muito da mãe que inspira seus filhos a serem um em tudo e em comunhão com o todo e ao mesmo tempo chora e ri com eles após momentos difíceis, compartilhando sua fragilidade (diria até humanidade, risos!).

Para Krishnamurti "a liberdade só existe quando não há confusão dentro de mim". Para o filósofo, é preciso começar com aquilo que está mais perto: nós mesmos. "A grandeza da liberdade, a verdadeira liberdade, a dignidade, a sua beleza, está em nós mesmos quando a ordem é completa. E essa ordem só vem quando somos uma luz para nós mesmos".*

Será que só conseguimos ser leves e sentirmos uma pontinha desta liberdade quando nos libertamos de padrões, condicionamentos, julgamentos? De toda essa memória que muitas vezes nos impede de voar (como os medos e inseguranças que nos paralisam e nos impedem de viver a Unidade!)?

“Extingue-se o dia, mas não o canto da cotovia” - Matsuo Bashô!

Minha mente abstrata já fez várias conexões e achei melhor parar o texto pra meditar e silenciá-la...Volto para terminar o post...Ou não.


* Krishnamurti – Perguntas e Respostas – Ed. Cultrix.

Hari Om!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

Uma história inspiradora...

Há muito tempo atrás, no tempo em que os homens experienciavam a beleza, sensíveis as coisas vivas na Terra - a fala, a visão, a audição, o sêmen, a audição, a mente e a respiração – discursavam entre si para provar qual deles era o mais importante. Mas sem conseguir resolver o dilema, foram até Brahma e perguntaram:

- Brahma, ó grande criador, dentre nós, qual é o mais importante?
Brahma então respondeu:
-O mais importante é aquele cujo afastamento faça o corpo piorar.
No dia seguinte todos decidiram fazer a experiência ao refletirem sobre as palavras de Brahma. Cada um se afastaria por um ano para que os outros pudessem avaliar o efeito de sua ausência. A Fala foi a primeira a se afastar, e ao voltar após um ano perguntou:
- Como vocês viveram sem mim?
Os outros responderam:
- Como os mudos: não falando com a língua, mas vendo com os olhos, ouvindo com os ouvidos, respirando com a respiração, conhecendo com a mente, gerando com o sêmem. Assim vivemos. E a língua retornou ao seu lugar.