Pular para o conteúdo principal

CONECTANDO O CORAÇÃO FÍSICO AO ESPIRITUAL


por José Maria, astrólogo.

Vênus em posição de grande proximidade da Terra, se encontra no mesmo grau que o Sol, em Áries, no dia 27 de março, sexta-feira (Viernes, dia de Vênus. Vênus rege o coração invisível, o coração de amor, o quarto Chakra (Anahata), a glândula Timo, o íntimo, a intimidade. O Sol rege o coração do sistema solar, é o símbolo da eterna transmissão de vida. É o planeta que nosso corpo rege o coração físico.

A conjunção entre Vênus Retrógrado e o Sol, a 6 de Áries, por seu alinhamento com a Terra, justo quando ocorre a aparição do primeiro filete de Lua Crescente da primavera (hemisfério norte) sugere a abertura de um Portal no Céu, que se abre uma única vez a cada oito anos, marcando o início de um novo ciclo em nossa vida e criando uma oportunidade de conexão entre o nosso coração físico, o coração espiritual e invisível do amor com o coração do sistema solar.

A cada um ano e oito meses Vênus Retrógrado e o Sol se encontram de novo, mas em outras posições do Zodíaco, de modo a completarem um ciclo de cinco conjunções em oito anos. Essas conjunções distam entre si na eclíptica, em aproximadamente 72 graus, formando uma estrela de cinco pontas perfeita, ou um pentagrama: no seu mapa, o seu Pentagrama Individual de Proteção.

O coração de um ser humano, em perfeito estado de saúde, bate em média 72 vezes por minuto. São 72 anos que o Sol leva para retrogradar um grau na eclíptica. A divisão de um círculo (360 graus) por 72, desenha a Estrela de Cinco Pontas de Vênus dando origem a uma Geometria Sagrada nas proporções perfeitas do número áureo observadas no desenvolvimento de todas as formas espirais vivas na natureza, desde as conchas (o nautilus), as flores, até as galáxias.


Derivam do desenho desse ciclo perfeito no céu, os atributos de Harmonia e Beleza Celestiais associados ao planeta Vênus.

Quem já assistiu à primeira aparição matutina de Vênus no mar, que ocorre alguns dias após a conjunção exata, sobre o horizonte oriental anunciando o nascer do Sol é capaz de compreender a alma dos artistas, o porquê que os poetas cantam em versos e prosas o esplendor da Estrela d'Alva. É onde Botticelli se inspirou para pintar o nascimento do amor, lá onde a Mente Universal dos arquétipos se origina para criar o mito de Afrodite.

Na antiguidade os povos de Mesoamérica aguardavam a primeira aparição deste planeta no céu oriental no amanhecer para "venerar" o novo período que ali se inicia, e para isso construíram Templos e observatórios astronômicos que podem ser localizados por toda América Central, inclusive Mexico e península de Yucatan, onde ainda hoje fazem seus rituais e cerimônias nessa ocasião.

Desde 6 de março, o planeta Vênus encontra-se em sua fase de retrogradação. Visto da Terra, aparecendo no por do Sol cada dia um pouco mais baixo, e na eclíptica parecendo andar para trás - na direção contrária a do Sol. A "estrela" vésper encontra-se entre a Terra e o Sol e logo aparecerá matutina.

Dizem os antigos aztecas que nessa posição, o "planeta do amor", assume a polaridade masculina e sua face guerreira (Quetzalcoatl - A Serpente Emplumada), descendo gradativamente em direção ao horizonte, como que submetido à irresistível força de atração, ou magnetismo feminino da Terra (Xoquiquetzal - A Flor Preciosa), até desaparecer mergulhando no horizonte ocidental, onde se encontra agora, quando forma a conjunção inferior com o Sol.

Leia mais: www.oficinadeastrologia.com

Comentários

  1. Lindo texto!

    Comento que nesta conjunção, falando em termo de chakras e "má-águas"
    que o chakra umbilical, o segundo, que tem a cor laranja, glânduas endócrinas as gônadas, situando-se pouco abaixo do umbigo é "responsável" pela capacidade de nos relacionarmos, é regido pelo elemento água.
    Através dele nos relacionamos fisicamentes, nos unimos aos outros com o intuito de perpetuar a vida, não só no sentido de gerar mas de re-conhecer a vida em nós mesmos. Pode ser co-regido pelo planeta Vênus.
    Ao fazer esta conjunção com o sol, e o centro do coração, timo, ativa-se a capacidade da entrega, da intimidade, tanto no nivel físico quanto amoroso, do amor por si mesmo que se transborda e dai tem a capacidade de compartilhar, ou partilhar com.
    O timo é a glândula responsável pelo sistema imnulógico. Um coração em "bom estado" é fundamental para saúde. É tempo de curar relacionamentos, consigo mesmo, com os pais, parceiros, com o universo, estabelecendo relações saudáveis de trocas verdadeiras, plenas.

    Viva Vênus, Sol, limpem-se as má-aguas e fluam sempre as águas do amor.
    Que é a grande cura.

    Andrea Honaiser

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Om. Shanti, Shanti, Shanti.

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

O Silêncio...

Conhecer o silêncio
Permanecer no silêncio
Cultivar o Silêncio
Honrar o silêncio
Respeitar o silêncio
Celebrar o silêncio
O silêncio é você.
...
No silêncio, transformações profundas acontecem.

Hari OM!