Pular para o conteúdo principal

Nosso corpo somos nós




O corpo tem suas formas de expressar-se de forma tão incrível! Todavia, não é fácil aceitar a idéia de uma inteligência corporal em uma cultura que divide o pensamento da ação, a mente e o corpo – considerando, muitas vezes, o corpo como algo menos especial que a mente (isso na visão da cultura ocidental). Ainda bem que este paradigma vem mudando ao longo dos tempos e o corpo, nosso templo sagrado, encontrando espaço para se expressar.

No hatha yoga aprendemos a nos movimentar com inteligência, transformando cada movimento em uma ação consciente, isso com a ajuda da respiração, da presença no agora, com a percepção de cada parte do corpo (músculos, articulações, ossos, tendões) e da energia que movimentamos internamente pra acontecer qualquer ação/movimento. Em pé sobre os próprios pés ou de cabeça para baixo, tudo é presença e auto-observação. Assim, com o tempo de prática vamos despertando, expandindo, descontraindo, oxigenando partes de nosso corpo que nem imaginávamos estarem adormecidas, contraídas, esquecidas.

No livro O corpo tem suas razões, Thérése Bertherat diz que o corpo é a nossa casa e que as paredes que tudo ouviram, e nada esqueceram, são os músculos. “Na rigidez, crispação, fraqueza e dores dos músculos das costas, pescoço, diafragma, coração e também do rosto e do sexo, está escrita toda a sua história, do nascimento até hoje”. Ela nos revela a possibilidade de reencontrarmos a chave do corpo, tomar posse dele, habitá-lo e nele encontrar vitalidade, saúde e harmonia que lhe são próprias. Maravilha!

É exatamente assim que vamos caminhando com nossa prática de hatha yoga. Cada dia mais a sensação de conhecermos a nós mesmos, cada vez mais percebendo cada detalhe de nós através do corpo, das sensações, emoções, pensamentoss que vão surgindo e observados. O veículo para este mergulho no “Si mesmo” é o corpo! Ao longo da jornada alguns nós vão sendo desatados, outros nem tanto, mas aprende-se a aceitar e conviver com eles de forma harmônica, sem julgar ou reagir. Costumo dizer para os alunos que paciência, perseverança, disciplina e coragem são fundamentai para seguir adiante.

Deixo espaço para reflexões com uma reflexão divina de Bertherat: “os movimentos nascem de dentro do corpo; não são impostos de fora. Não têm nada de místico ou misterioso. Têm por finalidade não que você escape a seu corpo mas sim que o seu corpo não continue a escapar-lhe, junto com a vida”.

Hari OM!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

Uma história inspiradora...

Há muito tempo atrás, no tempo em que os homens experienciavam a beleza, sensíveis as coisas vivas na Terra - a fala, a visão, a audição, o sêmen, a audição, a mente e a respiração – discursavam entre si para provar qual deles era o mais importante. Mas sem conseguir resolver o dilema, foram até Brahma e perguntaram:

- Brahma, ó grande criador, dentre nós, qual é o mais importante?
Brahma então respondeu:
-O mais importante é aquele cujo afastamento faça o corpo piorar.
No dia seguinte todos decidiram fazer a experiência ao refletirem sobre as palavras de Brahma. Cada um se afastaria por um ano para que os outros pudessem avaliar o efeito de sua ausência. A Fala foi a primeira a se afastar, e ao voltar após um ano perguntou:
- Como vocês viveram sem mim?
Os outros responderam:
- Como os mudos: não falando com a língua, mas vendo com os olhos, ouvindo com os ouvidos, respirando com a respiração, conhecendo com a mente, gerando com o sêmem. Assim vivemos. E a língua retornou ao seu lugar.