Pular para o conteúdo principal

É possível se machucar no Yoga?


Este tem sido um tema que volta e meia vem à tona nas conversas entre alunos e professores... Claro que é possível...Podemos andar na rua e num simples virar de pé, torcê-lo. Acontece. Mas se tivermos em mente a filosofia de vinyasa krama (cada passo numa direção e com consciência), fica mais fácil não se machucar e até mesmo compreender melhor caso aconteça, seja no dia-a-dia ou na prática de yoga. Lendo o "Tao do Esporte" me deparei com um capítulo que falava sobre o assunto e senti vontade de compartilhar...

"O homem superior aceita respeitosamente os ciclos de abundância e escassez...Estratagemas externos não podem extinguir os ciclos naturais da deteriorização. Somente o tempo o pode. Nutra sua mente e seu corpo...Encontre sabedoria na aceitação dos tempos."
I Ching nº 23


Muitas vezes o ferimento é um mensageiro anunciando que algo não vai bem, não está correto. É o momento de parar, se escutar, avaliar o que está fazendo e o que precisa ser feito. Os avanços acontecem, assim como os recuos. É um processo natural e um tempo de reflexão sobre si mesmo, sua vida, sua prática. Isso vale pra vida, não só pro yoga nem só para os ferimentos. Como disse Dalai Lama, "um acontecimento funesto pode ser uma fonte de força interior", isso se usarmos o poder da auto-observação.

"Logo, sem expectativas, sempre se perceberá a sutileza; e, com expectativas, sempre se perceberá o limite." Tao Te Ching nº 1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

Uma história inspiradora...

Há muito tempo atrás, no tempo em que os homens experienciavam a beleza, sensíveis as coisas vivas na Terra - a fala, a visão, a audição, o sêmen, a audição, a mente e a respiração – discursavam entre si para provar qual deles era o mais importante. Mas sem conseguir resolver o dilema, foram até Brahma e perguntaram:

- Brahma, ó grande criador, dentre nós, qual é o mais importante?
Brahma então respondeu:
-O mais importante é aquele cujo afastamento faça o corpo piorar.
No dia seguinte todos decidiram fazer a experiência ao refletirem sobre as palavras de Brahma. Cada um se afastaria por um ano para que os outros pudessem avaliar o efeito de sua ausência. A Fala foi a primeira a se afastar, e ao voltar após um ano perguntou:
- Como vocês viveram sem mim?
Os outros responderam:
- Como os mudos: não falando com a língua, mas vendo com os olhos, ouvindo com os ouvidos, respirando com a respiração, conhecendo com a mente, gerando com o sêmem. Assim vivemos. E a língua retornou ao seu lugar.