Pular para o conteúdo principal

A nossa canção...


O tempo passa quando você não está olhando”, reconhece David Kepesh (personagem de Ben Kingsley, num dos muitos diálogos interessantes do filme).

Não tenho nenhuma pretensão de escrever uma crítica, mas o filme “Fatal”, da diretora Isabel Coixet, independentemente de melodrama ou não, faz pensar sobre várias questões: envelhecer, a natureza dos desejos, relacionamentos frágeis e superficiais, a vulnerabilidade diante do controle de si- mesmo e do outro quando o assunto é paixão, a instituição casamento, etc., etc., etc.

Só queria deixar aqui uma reflexão, pois li recentemente em Krishnamurti e acho que tem tudo a ver com o que a câmera de Isabel quis mostrar em vários momentos de Fatal...

“Tocamos música, ouvimos o rádio, mas não há canções, de vez que o nosso coração está vazio. Criamos um mundo totalmente confuso, miserável, mas nossos relacionamentos são frágeis e superficiais. Não pode haver transformação no mundo exterior a menos que haja uma transformação dentro de cada um de nós. É problema nosso, de cada um de nós. Se deixarmos a solução para os outros, nos tornaremos irresponsáveis e, portanto, nosso coração se tornará vazio. Um coração vazio e uma mente técnica não constituem um ser humano criativo”. (Krishnamurti , Sobre a Natureza e o Meio Ambiente, p.22)

Hari OM!

Comentários

  1. é!
    muito bom esse krisnamurti...eu quero ver o filme..aonde esté em cartaz????
    beijos Mari
    O

    ResponderExcluir
  2. Pelo que vc escreveu, resolvi ver o filme hj à tarde. Me vez refletir sobre a dificuldade de encarar e aceitar a própria velhice, sobre a dificuldade da entrega verdadeira por parte dos homens.A dificuldade das relações pais/filhos e através do problema afetivo que o filho estava tendo, o verdadeiro reflexo da sociedade americana. Puritana (com falso puritanismo)e preconceituosa. Os americanos querem transparecer que têm uma família tão feliz qto as de comercial de margarina. Adorei. Obrigada pela dica. Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Om. Shanti, Shanti, Shanti.

Postagens mais visitadas deste blog

INSPIRAÇÃO...

O mestre iogue B. K. S. Iyengar diz que a prática de pranayama retira as nuvens que encobrem a consciência, clareia a visão e nos ilumina para que possamos enxergar as coisas como elas realmente são - e assim estarmos mais preparados para fazer as escolhas certas.

Mais do que aprender diversos exercícios respiratórios (pranayamas), com as retenções, narinas alternadas, despertar do agni (fogo do manipura chakra), é importante focarmos a prática na respiração profunda e lenta. Perceber os pontos de tensão do corpo que impedem o inspirar e exalar com qualidade. É identificar a presença de emoções e pensamentos (memórias) que nos aprisionam, provocam medo, contração, e até mesmo rigidez, pois elas impedem o livre fluir de prana - energia orgânica - no corpo através dos nadis (condutos sutis para a filosofia/ciência do Yoga).

A respiração é uma entidade, algo de dentro pra fora, uma conexão entre ser e mente, ser e corpo, ser e coração (alma). Quando inspiramos, é de dentro que vem a inten…

Diga não aos agrotóxicos!

Diga sim apenas aos orgânicos, assim acabamos com esse assassinato em massa realizado pelos grandes produtores que não seguem nenhum dos yamas (código de conduta yóguica): ahimsa (não-violência), satya (veracidade), asteya (honestidade), arvajan (retidão), sauchan (pureza de pensamentos, emoções, ações).

Hari OM!

O Silêncio...

Conhecer o silêncio
Permanecer no silêncio
Cultivar o Silêncio
Honrar o silêncio
Respeitar o silêncio
Celebrar o silêncio
O silêncio é você.
...
No silêncio, transformações profundas acontecem.

Hari OM!